Publicado por: sadeckgeo | março 17, 2009

Livro: “Projeto RADAM: uma saga Amazônica.”

Livro_mario_ivanO projeto RADAM sempre foi a menina dos olhos da maioria dos pesquisadores que na década de 70 a 80 trabalhavam na região amazônica e posteriormente no Brasil, sendo um dos projetos de levantamento de recursos naturais mais bem desenvolvidos no mundo, utilizando radar aerotransportado e com elogios dos mais diversos pesquisadores globais na época. É bem possível que de lá para cá o Brasil não tenha visto outro projeto nesse porte no que tange a cartografia.

No início de minha vida acadêmica tive o prazer de conhecer um dos maiores pesquisadores desse projeto, o geólogo Mário Ivan, que atualmente presta serviços na unidade regional do IBGE no Pará. Parceiro de discussões acaloradas e as vezes farristas, tirando um sarro dos geógrafos, é autor de alguns livros temáticos pela sua instituição e recheado de publicações em simpósios e congressos.

Recentemente lançou o livro “Projeto RADAM: uma saga Amazônica.” Pela editora Paka-Tatu. O livro já era pensado desde o termino do projeto. Vale ressaltar que essa iniciativa serve para não deixar que o Projeto fique apenas no contexto folclórico Amazônico, e com uma imagem muitas vezes deturpada.

A obra retrata a saga do Projeto RADAM/RADAMBRASIL na descoberta da Amazônia brasileira e na integração da mesma com o restante do Brasil em cerca de 15 anos de existência. Aspectos históricos são abordados, desde a idéia de sua implantação em uma área de 44.000 Km2 na bacia do rio Tapajós, área de influencia da BR-230, até atingir todo o território brasileiro. Tudo isso por conta de um experimento inicial com Radar de Visada Lateral no Quadrilátero Ferrífero (MG), tendo como fundamento principal a independência deste sensor com respeito às nuvens eternas, que sempre foram uma limitação dos levantamentos aerofotogramétricos.

Como já foi dito anteriormente o projeto RADAM/RADAMBRASIL representa o maior projeto em mapeamento de Recursos Naturais, envolvendo radar aerotransportado, enfocando os temas Cartografia, Geologia, Geomorfologia, Solos, Vegetação e Uso Potencial da Terra.

Para obter o livro é só entrar em contato com o autor pelo endereço: mariovan@ibest.com.br e informar que leu esse post aqui no Sadeck – Geotecnologias.

About these ads

Responses

  1. Meu pai atuou desde o início até o encerramento, quando foi transferido para o IBGE em Salvador. Seu nome é Carlos Duval Bacelar Viana, ainda guardo em casa os volumes dos trabalhos do Projeto Radam. É muito bom saber que foi escrito um livro dedicado a esse Projeto tão importante!!!

  2. Olá Mário Ivan,
    Sou filha de Acyr Ávila da Luz e em nome dele enviei há mais de um mês mensagem e artigo para você, como não recebi o Ok automático de recebimento de e-mail, avisei-o que talvez você não tivesse mais o uso do e-mail que está em seu livro.
    Ele quer lhe enviar outro artigo sobre o Radam e que saiu na revista Brasil Mineral deste mês.
    Hoje ele tentou achar seu telefone no e ainda não conseguiu.
    Peço que me envie seu endereço para correspondência.
    Agradecida, Ângela Mara Luz

  3. Uma dúvida: o projeto RADAM disponibiliza suas pesquisas de maneira pública? Em caso afirmativo, qual a demora entre o relatório e sua disponibilização ao público?
    Outra questão: o projeto mapeava eventuais recursos minerais, tipo, existência de ouro, ferro e outros minerais?

    • Sim, você pode ter acesso aos dados vetoriais no site do SISCOM – IBAMA, é claro que algumas coisas já foram atualizadas. Se você estiver em busca dos relatórios, o IBGE tem as copias em DVD para venda (http://bit.ly/9UtoLR).
      Em relação à sua pergunta, o RADAM é um projeto finalizado, hoje as mesmas pesquisas feitas no projeto são desenvolvidas por outros órgãos do governo como: CPRM, EMBRAPA e etc. Sendo assim, não sei lhe dizer o tempo emtre uma coisa e outra.

      Sim.

      Dê uma olhada no site: http://www.projeto.radam.nom.br/index.html

  4. Meu pai fez parte deste projeto, muito bom!!

  5. Muito me orgulho de ter participado desse grandioso projeto. Pouco comentário da minha equipe que oriunda da FAB (Parasar), tanto contribuiu na logistica para que fosse possivel um levantamento tão rápido implantando a abertura de clareiras na amazônia utilizando a técnica de rapel em helicópteros que na época foi inédita nesse tipo de trabalho em nosso pais.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.117 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: