Publicado por: sadeckgeo | janeiro 11, 2016

Sentinel constellation

Sentinel

A iniciativa da comunidade europeia no desenvolvimento do projeto Copérnico, antes chamado de GMES (Global Monitoring for Environment and Security) é excelente! O projeto já está sendo pensado há muito tempo, lembro-me de ter ouvido falar dele quando entrei no SIPAM pelos idos de 2006 início de 2007, ou seja, o projeto demorou a sair, mas agora que está na linha de produção as coisas estão indo de vento em poupa e os produtos são de ótima qualidade e muito bem vindos, principalmente por estarem sendo disponibilizados para a comunidade internacional de forma gratuita.

Hoje já temos o Sentinel-1 e o Sentinel-2A, radar e multiespectral respectivamente fazendo imagens da terra toda, uma vez a cada 10 dias nesse início do projeto, que prevê uma constelação de satélites e uma redução desse período de revisita. O Sentinel-2B está previsto para ser lançado até julho de 2016 segundo a ESA, já está em cima!!!

As 13 faixas espectrais dele, sentinela-2, estão muito parecidas com as do Landsat 8 como mostra essa figura feita pelo pessoal da NASA.

Espectro_sentinel_oli8

Esse satélite dará uma nova perspectiva para os sistemas de monitoramento florestal, principalmente por conta das bandas 5 – 6 – 7 que foram alocadas na borda do vermelho e possibilitarão estudos sobre o estado da vegetação, uma vez que as bandas do visível nos dão grandes informações sobre os processos físico-químicos da vegetação e o infravermelho nos dá informação da estrutura interna das folhas, como explicado no ótimo livro “Sensoriamento Remoto no Estudo da Vegetação”. Essas bandas na borda do vermelho nos dão a possibilidade de identificação de espécies de plantas, saúde e o crescimento dos vegetais em áreas de agricultura entre outras. Todos esses estudos podem ser aplicados em tipos de vegetação diferentes, desde florestas tropicais até florestas coníferas e vegetação das áreas desérticas.

As bandas 8 – 8a – 9 foram propositalmente colocadas onde as janelas atmosféricas estão mais fechadas, justamente para poder trabalhar com a calibração de vapor de água quando aplicada a correção radiométrica, assim como as bandas 1 – 2 – 12 serão usadas para a correção de aerossóis, que podem ser originados de diversas fontes como incêndios florestais, cristais de sal dispersos por ondas e até mesmo atividades agrícolas, no mesmo processo. A banda 10 também está alocada de forma estratégica para uma melhor obtenção de dados de nuvens tipo Cirrus, que são aquelas nuvens formadas no topo da atmosfera e dificultam a visibilidade da superfície terrestre, pois resultam diferentes condições de luz na superfície.

Agora, falando do Sentinel-1, acredito ser o primeiro satélite com sensor RADAR SAR a fazer o monitoramento continuo e com disponibilidade de dados gratuitos. Pode ser agora que o velho jargão de que o RADAR é o futuro do sensoriamento remoto para áreas tropicais, seja colocado em prática.

O Sentinel-1 é um RADAR SAR da banda C (5,405 GHz) com 12 m de antena e tem 3 modos de aquisição (Stripmap, Extra Wide e o Wave ) com o processamento interferométrico (InSAR) e com polarização dual (VV + VH ou HH + HV). Nesse comprimento de onde tem-se informações boas e internas do dossel da vegetação, penetrando aproximadamente 6 m dependendo do método, ângulo de incidência e outras coisitas mais, assim como, é possível fazer estudos sobre umidade do solo e inúmeras outras atividades.

Agora em dezembro passado (2015), foi assinado o contrato para o lançamento de mais 2 satélites da série Sentinel-1C e 1D, já que o 1B está previsto para lançamento em Abril de 2016, com isso o projeto e a cobertura de dados RADAR SAR global se estenderá até pelo menos o ano de 2030.

copernicus-poster-840x297_eng_1_1

Airbus Defence and Space

Estamos aguardando agora o Sentinel-1B, 1C e 1D, o Sentinel-2B e o Sentinel-3 além de todos esses outros mostrados na figura a cima.

Os dados dos satélites já em orbita podem ser baixados nos links:

Download_sentinel

Aqui tem um vídeo de como proceder para o download das imagens no modo clássico do site.

Mais informações sobre o projeto acesse:

https://sentinel.esa.int/web/sentinel/home

Já está trabalhando com dados do Sentinel? Comente conosco!

Até mais!

Anúncios

Responses

  1. Excelente os post.
    Algum dos dois satélites esta disponibilizando imagens recentes?
    Estou tentando acessar os dados de radar para avaliar o impacto de alguns incêndios florestais que ocorreram na região da Bahia.
    Abraços

    Curtir

    • Olá Diogo,

      Sim, tem imagem de ontem para a Bahia do S1A você só tem que ver se é a que você precisa, imagens de RADAR podem esconder seus alvos se você solicitar um método e processamento errados.
      Esse tipo de estudo que você está propondo é bem interessante e bem complexa a análise da imagem.
      Espero que consiga e depois compartilhe conosco.

      Um abraço.

      Curtir

  2. Vocês estão trabalhando com estimativa de vento a partir do Sentinel 1?

    Curtir

    • Olá Antônio,

      A ESA tem alguns estudos nesse campo, ainda não busquei artigos acadêmicos sobre isso, mas é bem possível que já existam. Eu mesmo nunca trabalhei com esse produto, meus estudos em RADAR sempre foram voltados para o uso da terra.

      Abraço.

      Curtir

  3. Olá Antonio,

    Sabe como compor as bandas no Arcgis?

    Abs

    Curtir

  4. Parabéns pelo post. Muito bom.
    Estamos trabalhando no mapeamento fundiário do estado do Pará e precisamos compor uma base com imagens de satélite de alta resolução e cobertura de toda superfície estadual, para avaliar a acurácia dos polígonos vetorizados e ajustar os limites de propriedades rurais a partir de feições geográficas tais como hidrografia, estradas, vegetação, etc. Você acha que as imagens Sentinel são uma boa opção para atender esta demanda?

    Curtir

    • Fala meu amigo Aluizio,
      Então, depende da escala que vcs estão trabalhando, o sentinel lhe dará até 10 m de resolução… O levantamento foi feito para esse ano? Pq vcs poderiam usar a base do Geoeye do MMA que te dá 5 m de resolução, mas é passada.
      Bem, em todo caso o Sentinel é um ótimo suporte pq já te coloca em 10 metros com uma boa quantidade espectral e em breve com um cardápio grande de satélites e sensores. Se o levantamento foi feito sobre a Landsat, então o sentinel é um ótimo suporte!
      Qualquer coisa me liga e a gente conversa!

      Um abraço.

      Curtir

      • Valeu Sadeck! Qualquer hora eu te ligo pra bater um papo sobre o assunto. Obrigado pelas dicas.
        Abs.

        Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: