Publicado por: sadeckgeo | novembro 29, 2011

NDVI no ENVI – 3 interfaces.

NDVI é um assunto muito recorrente aqui no blog, principalmente pela quantidade de softwares e pelas dúvidas variadas dos nossos leitores. Além de NDVI existem outros tantos índices de vegetação; como colocados na ToolBox para o ArcGIS.

Desde o começo das pesquisas sobre a interação da REM vs. matéria, temos visto descobertas relevantes sobre a vegetação e seu comportamento fotossintético. Sabemos que a relação entre vegetação e luz se dá em um curto intervalo do espectro, variando do visível ao infravermelho. Estudos detalhados deste intervalo espectral e dos parâmetros que os alteram, nos permitiram analisar mais detalhadamente estes alvos, possibilitando a criação de relações matemáticas (Índices) que auxiliam na extração de informações valiosas como; presença de vegetação, o vigor vegetal, conteúdo de água, maturação vegetal, distribuição espacial, dentre outros. 

Os índices de vegetação atuam de forma simplificada, nos processos interativos que ocorrem quando há baixa reflectância na região do visível, que indica absorção da radiação pelos pigmentos fotossintetizantes e quando há alta reflectância na região do infravermelho próximo, que indica espalhamento da radiação por conta da estrutura celular.

Tradicionalmente o índice mais usado é o da Diferença Normalizada, que foi criado por diversas mãos, mas que foi primeiramente descrito por Kriegler, F. J no texto Preprocessing Transformations and Their Effects on Multispectral Recognition em 69.

Como já falamos em outras postagens (NDVI – TerraView 3.6 e NDVI – ArcGIS 9.2) sobre algumas características do mesmo, hoje falaremos um pouco sobre as precauções que devem ser tomadas quando formos aplicar essa matemática sobre as bandas.

O amigo Diogo Caribé perguntou sobre a questão dos dados físicos. Geralmente esse procedimento é feito para análises temporais e multi-sensores que também precisarão levar em consideração as correções atmosféricas. Isso torna os cálculos muito mais rigorosos para a extração de informações, principalmente quando o estudo leva em consideração uma determinada espécie vegetal. Outro efeito que pode prejudicar os valores de NDVI é a umidade do solo, pois deixam os solos mais escuros, influenciando diretamente na quantidade de reflexão. Esses são só alguns fatores que devem deixá-los mais atentos na hora de aplicar o NDVI. Em qualquer aplicação quantitativa que exige um determinado nível de precisão, todos os fatores de perturbação que podem resultar em erros ou incertezas dessa ordem de grandeza devem ser expressamente levados em conta, o que pode exigir alto nível de processamento, base de dados auxiliares e outras fontes de informação.

Veja como aplicar o NDVI pelo ENVI em 3 interfaces diferentes no vídeo.

Gostou? Então compartilhe com seus amigos e não deixe de comentar.

Links relacionados:

Toolbox para a calibração de bandas Landsat e correção atmosférica no ArcGis.

Correção Atmosférica FLAASH – ENVI

Correção Atmosférica – ENVI 4.5

Modelo Linear de Mistura Espectral – TerraView 3.6

Referências:

http://www.seer.ufv.br/seer/index.php/reveng/article/viewFile/57/29

http://www.dsr.inpe.br/sbsr2011/files/p0954.pdf

http://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v15n7/v15n07a09.pdf

http://marte.dpi.inpe.br/col/sid.inpe.br/deise/1999/02.02.11.25/doc/T191.pdf

Anúncios

Responses

  1. Caro professor Sadeck, a comunidade geotecnológica agradeçe mais essa postagem! Continue sempre nos mostrando as pontecialidades do Envi e como utilizá-lo. Abraço !

    Curtir

  2. Massa Sadeck,

    Fiquei muito feliz em poder contribuir com o seu blog. Fiquei ate surpreso

    Mas estou estudando mais um pouquinho essa parte radiométrica para discutirmos mais um pouco.

    De cara, me permita:

    A diferença entre reflectância aparente e de superfície é:

    A primeira foi mensurada a partir de sensores orbitais, tendo o efeito da atmosfera interferindo na sua medida. Contudo se for feita a correção atmosférica teremos os valores de reflectâncias superficiais. Certo?

    Na coleta de dados com esferas integradoras a reflectâncias obtida já é a superficial. É isso mesmo?

    E quanto ao dado físico radiância, para obtê-los fazemos isso através dos NC corrigidos radiometricamente?

    Talvez esteja confuso ainda os conceitos, mas acho que eles irão para os seus lugares.

    Obrigado pela atenção

    Abração

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: